Notícias

Outros

Compromisso com a solidariedade

Conheça o Projeto que usa a tecnologia a favor da criação de ventiladores pulmonares

Há um ano o mundo vive a  pandemia do novo coronavírus e, mesmo com a chegada da vacina, a participação efetiva de todos os segmentos da sociedade é indispensável na luta contra a Covid-19. E esse é o objetivo da TACOM Tecnologia, que criou, em 2020, o Projeto Inspirar, para produzir um ventilador pulmonar com tecnologia inédita, aprovado em todos os requisitos de homologação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). De acordo com Cláudia Tonussi Braga, diretora administrativa da TACOM e uma das idealizadoras do projeto, o respirador tem custo mais acessível - R$ 33.480,00, que corresponde a um terço do valor de equipamentos similares no mercado.

Até março, foram produzidos mais de 1700 respiradores, doados para 328 instituições de saúde, impactando positivamente mais de 25 mil vidas. “Em 2020 conseguimos viabilizar muitas doações e agora, em 2021, diante deste cenário de colapso nos hospitais, estamos novamente em busca da contribuição de todos, para oferecer mais equipamentos às instituições que tanto precisam”, explica Claudia.

Confira, na entrevista a seguir, todos os detalhes sobre a produção do ventilador pulmonar do Projeto Inspirar e como você pode contribuir para que mais equipamentos cheguem aos hospitais de Minas Gerais e de outras regiões do Brasil.

Como surgiu a ideia do Projeto Inspirar?

O Projeto nasceu do desejo de mobilizar a sociedade e as empresas brasileiras a cooperarem com a fabricação de ventiladores pulmonares próprios, que vão ajudar diretamente às instituições de saúde no combate ao coronavírus. A ação foi criada em março de 2020, pelos sócios da companhia mineira TACOM e teve como meta inicial concluir rapidamente o desenvolvimento de um ventilador pulmonar que pudesse ser produzido em larga escala e baixo custo.

Quantos respiradores já foram produzidos e doados nesse período de um ano de pandemia?

Já foram produzidos mais de 1700 respiradores e 328 instituições de saúde já foram atendidas. O projeto, que começou em Minas Gerais, já se estendeu a outras regiões do país e em 2021 pretende alcançar centenas de municípios que necessitam estruturar seus leitos com ventilação mecânica. A missão de oferecer uma solução rápida, acessível e de excelência na produção de aparelhos, que são doados aos leitos de hospitais para suporte respiratório aos pacientes internados, já impactou mais de 25 mil vidas.  

Cláudia Tonussi durante a entrega dos ventiladores pulmonares ao Governo de Minas Gerais. Foto: Divulgação.

O Projeto Inspirar recebeu algum patrocínio ou apoio para o desenvolvimento dos respiradores?

Inicialmente, o Projeto contou com o apoio da FIEMG - Federação das Indústrias de Minas Gerais -, além de dezenas de empresas, engenheiros, médicos e voluntários, que viabilizaram o desenvolvimento do aparelho em um tempo recorde de 45 dias entre o início da ação e o primeiro protótipo do ventilador, chamado de VI-C19.  Nós tínhamos um grande desejo de colaborar com a sociedade. Por isso, mergulhamos na proposta de criar um equipamento eficiente e seguro. Os ventiladores foram desenvolvidos em um prazo muito curto e aprovados em 100% dos requisitos de homologação da classe III da ANVISA - a mais rigorosa. Após a aprovação pelas autoridades de saúde competentes, os equipamentos foram rapidamente produzidos e doados, via FIEMG, ao Estado de Minas, Governo Federal e autoridades locais.

A Tacom é uma empresa de tecnologia para o ramo de transportes. Como foi operacionalizado internamente o processo de elaboração do respirador?

A Tacom é líder em soluções de ITS (intelligent transportation system). Quando decidimos tracionar este projeto, eu e meus irmãos nos envolvemos pessoalmente no desenvolvimento do projeto. Voltamos também toda nossa estrutura da Tacom e a equipe de desenvolvimento de produto e software para o projeto. Foi desafiador porque tivemos que manter nossas atividades correntes da Tacom, por conta dos inúmeros projetos que temos em funcionamento. Hoje a Inspirar já se estruturou e conta com uma equipe própria, que está trabalhando com dedicação para desenvolver novas funcionalidades e melhorias no produto.

Quais foram as principais dificuldades encontradas durante a produção?

O principal desafio foi estruturar uma unidade fabril para produtos médicos, que requer também certificação da ANVISA. Este era um requisito que deveria anteceder o pedido de registro do produto. Este é um processo que demora em média dois anos em um processo normal, e fizemos em 30 dias. Outra grande dificuldade foi colocar os insumos e materiais disponíveis em grande quantidade na fábrica. Tivemos outros vários desafios, dentre eles a falta de componentes e a dificuldade de logística, dado o cenário de fechamento das fronteiras pelos países. Foram muitos obstáculos, mas contamos com o apoio de várias empresas, engenheiros, médicos e voluntários, que se dedicaram para nos ajudar neste desenvolvimento e depuração do produto.

Qual é a tecnologia utilizada para esses respiradores desenvolvidos pelo Projeto Inspirar?

Eles são desenvolvidos com tecnologia inovadora e disruptiva. Os equipamentos são muito interativos (usually friendy), o que permite que sejam facilmente implementados e parametrizados para uso. Seus módulos e funcionalidades estão em constante evolução, permitindo atualizações permanentes. Os aparelhos contam com tecnologia de controle e monitoramento em dois níveis, através do CCM (centro de controle e monitoramento) e do CCT (centro de controle tecnológico), de onde todos os eventos com os pacientes podem ser visualizados e acompanhados através de sistemas parametrizáveis de alarmes. Essas e outras funcionalidades fazem com que o VI-C19 seja considerado um equipamento robusto e moderno. Seu exclusivo sistema de exaustão e tratamento do ar expirado, evita a contaminação das equipes médicas e sua capacidade de funcionar com ar em alta e baixa pressão possibilita seu uso em estruturas hospitalares mais simples.

Como é realizado o cadastro das instituições de saúde e/ou hospitais que querem receber os respiradores?

As entidades que necessitem do respirador podem entrar em contato através do 0800-042-0614 e deixar todas as informações. Uma equipe está dedicada em checar se as informações são fidedignas e registrar a demanda em nosso cadastro. Os equipamentos são doados, preferencialmente, a organizações públicas ou privadas sem fins lucrativos. Aquelas que atendem populações em vulnerabilidade social e/ou que estejam localizados em regiões mais afetadas pela pandemia do novo coronavírus têm prioridade. A quantidade será definida com base nos critérios de necessidade, disponibilidade e razoabilidade, buscando beneficiar o maior número de pessoas possível. Todos podem acompanhar as entregas realizadas e a lista de empresas selecionadas no site do Projeto.

Como as pessoas podem contribuir com o Projeto e ajudar a financiar a produção de mais respiradores?

A nova campanha de arrecadação permite que todos possam ajudar. As quantias coletadas serão destinadas a um fundo de arrecadação, e os recursos levantados se transformarão em créditos para fabricação dos ventiladores pulmonares, que serão entregues a instituições de saúde que não disponham de número suficiente de aparelhos para atender à demanda de pacientes. Para doar, basta entrar no site inspirarprojeto.com.br e selecionar ‘QUERO DOAR’ ou acessar diretamente o gateware de pagamento www.kimmais.com.br/doacao, através do QR CODE (no fim da entrevista). O doador preencherá um pequeno cadastro com CPF ou CNPJ, e-mail e telefone de contato, e consentirá aos termos da campanha. Feito o cadastro, será possível doar por meio de cartão de crédito, PIX, transferência bancária ou boleto bancário. Para mais informações ou detalhes sobre a aquisição de um equipamento, entre em contato pelo telefone: 0800-042-0614.

Qual é, em sua opinião, a importância de iniciativas como a do Projeto Inspirar para o sistema de saúde e para a população?

Todos devem fazer sua parte! Os governos em todas as suas esferas: federal, estadual e municipal, mas há que se ter também o compromisso da sociedade como um todo. Entidades, empresas e pessoas tem que ter sensibilidade para a situação totalmente atípica e catastrófica que estamos vivendo. Mais do que nunca é preciso ter solidariedade para com a fragilidade, dor e sofrimento do próximo e ajudar no que for possível. Não é possível achar que a coisa vai se resolver sem o empenho de todos. Existem muitos desafios que teremos que vencer, a dor, a fome e os efeitos psicológicos são os mais graves no meu entender e toda ajuda que venha neste sentido é fundamental e necessária.

 

Use seu smartphone para fazer a leitura do QRCode e contribua

com a produção dos ventiladores pulmonares


Esse site armazena dados (como cookies), o que permite que determinadas funcionalidades (como análises e personalização) funcionem apropriadamente. Clique aqui e saiba mais!