Notícias

Cultura

Memórias...

Pedro Nava foi o focalizado do Letra em Cena on-line

A obra de Pedro Nava (1903 – 1984) foi o tema da segunda sessão on-line do programa “Letra em Cena. Como ler...”., transmitido pelo canal oficial do Minas Tênis Cube no Youtube (youtube.com.br/minastcoficial). Antônio Sérgio Bueno, professor aposentado da Faculdade de Letras da UFMG, falou sobre a trajetória do escritor juiz-forano que é considerado o mais importante memorialista do país. Em 1h40 de live, que conta atualmente com quase mil visualizações e pode ser vista aqui, também foram declamados, pelo ator Odilon Esteves, textos e poemas de Nava.

Pedro Nava era médico reumatologista, até que, aos 69 anos, surgiu na literatura nacional, em 1972, com a publicação de “Baú de ossos”. O livro causou grande comoção e foi celebrado pela crítica e pelo público. “O pai de Nava, que era médico, recolheu os ossos de sua sobrinha que tinha falecido, colocou-os num baú e levou-os para a casa de sua irmã. Debaixo de um oratório, ficava esse baú com os ossos da prima de Pedro Nava, daí o título do livro”, explicou o palestrante.

 

 

Nava passou a se dedicar à literatura a partir de “Baú de ossos”, publicou mais cinco livros e deixou uma obra inacabada, “Cera das almas”, que foi lançada, postumamente, em 2006. Ele escrevia sobre sua infância e juventude, aos 65 anos, e, por isso, o palestrante foi questionado pelo público, durante a live, sobre o que é memória e o que é ficção nos textos de Nava. “Não dá para separar com precisão. É claro que ele parte de determinados fatos como uma plataforma de voo. E a obra nos mostra aonde vai parar”, disse.

Além de médico e escritor, Nava foi ilustrador. São dele as ilustrações da edição de 1929 do livro “Macunaíma”, de Mário de Andrade. Antônio Sérgio observa a destreza de Nava com o desenho e as letras. “Ele pintava com palavras. O pessoal de artes plásticas vai amar esse memorialista”, afirmou o palestrante, que também lembrou o que Carlos Drummond de Andrade disse sobre esse talento do escritor. “Pedro Nava derivou para a forma verbal o seu talento especial do retrato”.

Segundo Antonio Sérgio, Nava tinha uma poesia pura, que trabalhava o som da palavra, não se importando com que está dizendo, mas em como está sendo falado. “A tessitura sonora faz o que é dito, ser mais bem dito. Nava escolhe a palavra que potencializa o que será dito”, observou.

Profundo admirador do memorialista, Antônio Sérgio contou como conheceu Nava e revelou que o interesse inicial era em Carlos Drummond de Andrade, amigo de Nava. “Foi uma coisa extraordinária. Esqueci de falar com Nava sobre Drummond de tão encantado que fiquei por ele”, lembrou o professor.

Rubem Fonseca é próximo analisado

A próxima sessão do “Letra em Cena on-line” será dedicada à obra de Rubem Fonseca, no dia 22 de setembro, terça-feira, às 20h. O palestrante convidado é o jornalista e roteirista Marçal Aquino. A transmissão também será pelo canal oficial do Minas Tênis Cube no Youtube (youtube.com.br/minastcoficial).

Para saber informações e novidades sobre o programa literário do Minas Tênis Clube, faça sua inscrição no site da Sympla.

Siga como redes sociais oficiais da cultura de Minas:

Facebook : / mtccultura
Instagram : @mtccultura

 


Esse site armaneza dados (como cookies), o que permite que determinadas funcionalidades (como análises e personalização) funcionem apropriadamente. Clique aqui e saiba mais!