Notícias

Cultura

Como ler Manoel de Barros

Fabrício Carpinejar, jornalista e cronista, analisa a obra do Caramujo-flor

O poeta mato-grossense Manoel de Barros (1916 - 2014) será o tema da sessão do mês de setembro da versão on-line do programa literário do Centro Cultural Unimed-BH Minas, o “Letra em Cena. Como ler…”. No dia 14 de setembro (terça-feira), às 20h, no canal oficial do Minas Tênis Clube no YouTube, o jornalista e curador do Letra em Cena, José Eduardo Gonçalves, conversa com o jornalista, escritor e cronista Fabrício Carpinejar, sobre a obra do caramujo–flor, apelido de Manoel. Dono de uma poesia em que a pureza é a característica, Manoel de Barros, segundo Carpinejar, se assemelha a Mario Quintana, poeta gaúcho do qual o cronista falou, em 2017, no Letra em Cena. “Manoel e Quintana são poetas da simplicidade, eles dão atenção às diferenças, têm compaixão e empatia”, observa o cronista. A leitura de textos de Manoel de Barros será feita pelo ator Odilon Esteves. Assista aqui.

 

Fabrício Carpinejar vai falar sobre a obra de Manoel de Barros no Letra em Cena on-line. Foto: Arquivo pessoalFabrício Carpinejar vai falar sobre a obra de Manoel de Barros no Letra em Cena on-line. Foto: Arquivo pessoal

Manoel publicou mais de 30 livros e alguns deles foram traduzidos para o espanhol, francês e inglês e, de acordo com críticos, ele é o mais aclamado poeta brasileiro da contemporaneidade. Segundo Fabrício Carpinejar, Manoel tinha uma fixação pela simplicidade. “Ele tem um encantamento pelas palavras, pelo insignificante, pelo pouco. Tudo que não presta serve para poesia, tudo que é abandonado é objeto e tudo que deixa de ser útil passa a ter significado para o poeta Manoel”, explica o cronista gaúcho. Manoel tinha como mote o estado da pureza. “Ele faz uma ode ao não consumo pela contemplação, ele escrevia de um lugar onde não se mente e se emociona antes de entender as coisas”, afirma.

Carpinejar diz que Manoel de Barros foi um poeta tardiamente reconhecido. Foi na década de 1980 que teve sua obra descoberta e apreciada por Millôr Fernandes (1923 - 2012), atingindo o público em todo país. “Ele ficou conhecido inicialmente como o poeta do pantanal, escreveu  versos em que os elementos regionais são apresentados de forma a exemplificar questões existenciais, ele se inspirava na realidade imediata que o cercava, especialmente na natureza. Manoel é dono de uma poesia telúrica, ele falava dos passarinhos, de todos os bichos e dos hábitos da mata. A gente pode dizer que ele se parecia com um personagem vivo  de Guimarães Rosa”, observa Carpinejar.

O cronista gaúcho aponta uma outra característica de Manoel de Barros, o cuidado com as palavras. “Ele se impressionava com o significado das palavras, ele as cultivava, era um jardineiro das palavras. Para Manoel, elas foram feitas para serem habitadas, há um toque surrealista nisso”, aponta Carpinejar. Na obra de Manoel, de acordo com o cronista gaúcho, “o sentido comanda o sentido, ou seja, o único jeito de conhecer as coisa é sendo as coisas, como disse Jorge de Lima [poeta e romancista brasileiro do século XX] ‘Como conhecer as coisas senão sendo-as?’. A poesia de Manoel é a da transformação”, atesta

Carpinejar recomenda, para aqueles que não conhecem a poesia de Manoel de Barros, a leitura de “O livro sobre o nada”. “É um livro pequeno e tem toda a matriz de sua poesia. Ele mostra suas desventuras e se mostra como uma criança fazendo peraltagem”, conclui Carpinejar.

 

Centro Cultural Unimed-BH Minas no Circuito Liberdade

O Centro Cultural Unimed-BH Minas é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e cultura em transversalidade com o turismo. Trabalhando em rede, as atividades dos equipamentos parceiros ao Circuito buscam desenvolvimento humano, cultural, turístico, social e econômico, com foco na economia criativa como mecanismo de geração de emprego e renda, além da democratização e ampliação do acesso da população às atividades propostas.

 

Serviço

Letra em Cena on-line. Como ler Manoel de Barros

Data: 14 de setembro, terça-feira.
Horário: 20h.
Transmissão: canal oficial do Minas Tênis Clube no YouTube (youtube.com.br/minastcoficial).

Siga as redes sociais oficiais da Cultura do Minas:

Facebook: /mtccultura
Instagram: @mtccultura

 


Esse site armazena dados (como cookies), o que permite que determinadas funcionalidades (como análises e personalização) funcionem apropriadamente. Clique aqui e saiba mais!