Notícias

Cultura

Viva João Ubaldo

“Ele era um escritor extremamente brasileiro”, afirma Cacá Diegues, no Letra em Cena on-line

A sessão de abril do programa literário do Minas Tênis Clube, “Letra em Cena. Como ler...”, na última terça-feira (13/4), em versão on-line, contou com o cineasta Cacá Diegues, que analisou a obra do escritor baiano João Ubaldo Ribeiro (1941-2014), imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL), vencedor do Prêmio Camões em 2008 e considerado como um dos principais disseminadores da cultura brasileira no mundo. No canal oficial do Minas Tênis Clube no YouTube, Cacá Diegues foi entrevistado pelo curador do “Letra em Cena”, José Eduardo Gonçalves. O programa teve, ainda, depoimento da escritora cearense Ana Miranda e a leitura do trecho do livro “Sargento Getúlio”, lançado por João Ubaldo em 1971, pelo ator Glicério do Rosário. Veja aqui.

 

 

Bacharel em direito pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), João Ubaldo iniciou a carreira literária nos primeiros anos de estudante. Na faculdade, foi jornalista, ao lado de Glauber Rocha (1939 – 1981), e um dos jovens escritores a participar do International Writing Program, da Universidade de Iowa. “João é um presente que Glauber me deu. A primeira vez que fui à Bahia foi para apresentar o meu filme ‘A grande cidade’ (1966). Glauber soube disso e me falou que ia me apresentar o João. Ele me disse: ‘você não converse com ninguém antes de falar com Ubaldo’. Obedeci, cheguei lá e liguei para o Ubaldo que trabalhava em um jornal. Viramos amigos”, lembra o cineasta.

Confira mais trechos da entrevista de Cacá Diegues no Letra em Cena on-line.

 

A importância de João Ubaldo na  literatura

João tinha uma coisa rara que o destacava na literatura. Ele era um autor extremamente brasileiro, usava personagens e linguagem nacionais de forma muito respeitosa. De certa forma, os escritores fazem isso de maneira safada, muito sem vergonha. Ubaldo não, porque ele era o personagem dos livros dele. Mais que o melhor da minha geração, é o melhor de várias gerações. Ele é um autor moderno extraordinário. Nem é tanto pela sua literatura, é pelo significado dela para as letras brasileiras de sua época. Ele era muito original, muito fora do contexto, muito fora da tradição literária brasileira, aquela tradição boêmia, mas ao mesmo tempo era uma pessoa extremamente original, tudo que ele escrevia era muito dele.

 

Características da obra do autor

O humanismo é a marca da literatura de João, cuja obra apresenta a consciência de que o homem é uma construção do que está a sua volta e de suas ações. Isso é uma coisa que é muito rara na literatura brasileira. Porque ela tem um viés, não digo demagógico, mas gentil demais com o povo. João respeitava o povo, mas não era gentil. Ele não cedia o que acreditava que era verdade. E do ponto de vista literário, ele sempre desenvolveu uma forma muito dele. Mas a cada livro, tinha um avanço extraordinário. Do primeiro livro, “Setembro não tem sentido” (1968), até o “Viva o povo brasileiro” (1984), é um caminho extraordinário.

Quando eu fico feliz com a cultura, com a literatura, é pelo que João escreveu. Quando leio sua obra, tenho a sensação de que estou descobrindo o que é bom para o Brasil.

 

João Ubaldo por Ana Miranda

A intensidade é uma forte característica de João Ubaldo Ribeiro. Ele era impressionante, muito forte, muito vulcânico, muito retumbante, muito inteligente. Falava com tanto ímpeto, com tanta força e com uma cultura intrínseca. Ele escrevia como um deus, com mestria. Os livros dele são formidáveis e mostram um Brasil revisitado e reconstruído. Ele me parecia a reencarnação do Gregório de Matos com o Padre Vieira, tinha esses dois espíritos dentro de si: o da indignação e o da epifania. A obra dele é uma benção, é uma virtude do nosso país.

 

Próxima sessão

A obra de Caio Fernando Abreu será analisada pela escritora Martha Medeiros, na próxima sessão do programa literário Letra em Cena, em versão on-line, no dia 11 de maio (terça-feira), às 20h, no canal oficial do Minas Tênis Clube no YouTube. Não perca!

 

Siga como redes sociais oficiais da cultura de Minas:

Facebook : / mtccultura
Instagram : @mtccultura

 


Esse site armazena dados (como cookies), o que permite que determinadas funcionalidades (como análises e personalização) funcionem apropriadamente. Clique aqui e saiba mais!