Notícias

Cultura

Graciliano Ramos

Milton Hatoum analisa a obra do autor alagoano no Letra em Cena on-line

Mais uma transmissão do “Letra em Cena on-line” será realizada na próxima terça-feira (10/11), às 20h, no canal oficial do Minas Tênis Clube no Youtube (youtube.com.br/minastcoficial). Desta vez, a obra do alagoano Graciliano Ramos (1892-1953) será analisada pelo escritor manaura Milton Hatoum, em entrevista a José Eduardo Gonçalves, curador do programa literário do Minas Tênis Clube. A leitura dos textos de Graciliano Ramos será feita pela atriz Bruna Kalil Othero. Para saber mais informações e novidades sobre o Letra em Cena, faça sua inscrição no site da Sympla.

 

 

Romancista, cronista, contista, jornalista, político e memorialista, Graciliano Ramos é autor de 18 livros, dentre eles duas obras-primas da literatura nacional: “Memórias do cárcere”, publicado postumamente em 1953, em que o autor aborda o período em que esteve preso, em 1936, por conta de seu envolvimento político com a Intentona Comunista, de 1935; e “Vidas secas”, de 1938, no qual apresenta ao leitor questões sociais e flagelos da humanidade.

 

O escritor manauara Milton Hatoum será entrevistado sobre a obra de Graciliano Ramos. Foto: Marcos Alves

Segundo Milton Hatoum, tendo como referência o livro “O Quinze”, publicado em 1930, que fala sobre a seca de 1915, a obra de Graciliano Ramos apresenta uma nova forma de narrar. “São romances que exploram questões convergentes, mas cada um é elaborado a partir de uma visão e um estilo particular. Penso que ‘O Quinze’ antecipou um modo de narrar, feito a partir da interioridade das personagens. Graciliano desenvolveu essa perspectiva interna, pois as personagens de ‘Vidas secas’ têm voz própria. De um modo geral, não há um narrador ‘culto’ que fala por eles ou se intromete na narrativa para julgá-los”, explica Milton Hatoum.

É perceptível, segundo Hatoum, a crítica social na obra de Graciliano Ramos, porém esse é apenas um dos aspectos importantes da sua escrita. “Em seus romances, contos e memórias, a sondagem psicológica das personagens e a linguagem inovadora são tão relevantes quanto sua visão crítica”, observa o palestrante. A sua filiação ao partido comunista é associada ao teor político de suas obras. No entanto, Hatoum afirma que essa característica já existia. “Muito antes de se filiar ao partido comunista, Graciliano publicou na imprensa alagoana vários artigos sobre as iniquidades do Brasil, particularmente as do Nordeste. Quando Graciliano Ramos foi prefeito de Palmeira dos Índios (Alagoas), entre 1928-1930, a administração dele foi eficiente, extremamente ética e honesta. Aliás, os prefeitos brasileiros deviam ler o relatório que ele fez sobre sua gestão”, aconselha o palestrante.

Com uma vida cheia de acontecimentos como a morte dos irmãos, morte da esposa e a prisão, é tendencioso pensar que as obras do autor alagoano foram afetadas por esses fatores. Hatoum afirma que não se pode ler assim. “A prisão do escritor um pouco antes da instauração do Estado Novo [1930-1945] certamente inspirou ‘Memórias do cárcere’. Mas é sempre um risco transpor diretamente os fatos da vida de um autor ou autora para sua obra de ficção. Há uma relação entre a vida e a obra, mas acho que devemos ler um romance como uma invenção, pois essa relação entre vida e literatura é extremamente complexa e subjetiva”, destaca Hatoum.

Para o palestrante, a obra de Graciliano Ramos deixa uma lição de vida, quando apresenta os diferentes cenários, proporcionando viagens. “Na minha juventude, li dois livros de Graciliano Ramos: ‘Vidas secas’ e ‘Infância’. Para mim, foi uma lição de vida. Nasci em Manaus, onde passei a infância e uma parte da juventude. A leitura de ‘Vidas secas’ me conduziu a uma região desconhecida. Esse território abrange uma geografia, uma sociedade e uma linguagem. Foi uma das grandes viagens que eu fiz, sem sair da minha cidade”, lembra Hatoum.

Serviço

Letra em Cena on-line. Como ler Graciliano Ramos

Data: 10 de novembro, terça-feira.
Horário: 20h.
Transmissão: canal oficial do Youtube do Minas Tênis Clube (youtube.com.br/minastcoficial).

Siga como redes sociais oficiais da cultura de Minas:

Facebook : / mtccultura
Instagram : @mtccultura

 


Esse site armaneza dados (como cookies), o que permite que determinadas funcionalidades (como análises e personalização) funcionem apropriadamente. Clique aqui e saiba mais!